Ser Mãe

heart-700141_1920Durante todos aqueles meses, observamos a barriga a aumentar e pensamos: “O que será de mim, o que será deste ser que cresce dentro de mim? Saberei lidar com esta nova responsabilidade? Será que esta criança vai gostar de mim, vai ser capaz de me tolerar, de ver para além de mim e de me amar? Conseguirei ser suficientemente responsável para tomar conta dela e, já agora, de mim? O que será de nós quando ela chorar pela primeira vez? Serei o seu conforto, o seu norte, a sua mais que tudo?”

Mãe, a resposta é sim.

Ser Mãe é difícil, muito difícil. Erramos a todo o momento. Acertamos também. Acertamos sempre, mesmo apesar do erro, porque fazemos tudo com amor, com muito amor. Amor desmesurado, pode, por vezes, parecer. Só que não o é.

O amor nunca é demais. O mimo faz sempre bem.

Desde que seja um amor de embalar, de abraçar, de pegar ao colo, de beijar até se acabarem os beijos, de amassar até não haver mais amassos. De estar presente e dar tudo de si em cada momento em que se pode estar mesmo presente.

Dar sem limites? Só amor. Porque este tudo pode, tudo salva, tudo justifica, tudo engrandece, tudo acalma.

E estar presente é o que fortalece a relação.

Quando temos de deixar os nossos filhos, é apenas o corpo que os deixa. A mente está sempre com eles. E a mente deles está também connosco.

Assim é o amor entre a mãe e os seus filhos: um laço tão forte que jamais será quebrado.

O amor é o caminho. E errar, Mãe, faz parte da caminhada. Bem como acertar. Porém, errar é mais divertido… E mais humano!

Feliz dia da Mãe a todas as Mães, atuais ou futuras, de alma e de coração.

Sejam felizes!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *