Roupeiros Reais: a Catarina e a Sofia mostram-nos os seus armários!

roupeiros-reais-catarina-sofiaQuando descobri o conceito do Roupeiro Cápsula e fiz a primeira experiência nesta área fiquei logo fã.

Já várias vezes me perguntei porque não transformei o meu guarda-fatos mais cedo e como é que consegui viver durante tanto tempo no meio do caos de um armário atafulhado.

De há uns meses para cá, tenho vindo a partilhar contigo como organizo o meu roupeiro: contei-te quantas peças tenho, como cheguei a esse número e partilhei contigo um recurso precioso para te ajudar a construir o teu roupeiro mais simples.

Fui recebendo os comentários de algumas leitoras e lembrei-me de que seria super interessante partilhar a perspetiva de outras pessoas sobre este tema.

Acho que faz todo o sentido ficares a conhecer como é que outras pessoas que acreditam num estilo de vida simples vivenciam esta área das suas vidas e como encontram paz e bem-estar em guarda-fatos completamente ao seu estilo.

E foi por isso que pedi à Catarina e à Sofia, duas leitoras e bloggers que muito estimo, para nos falarem sobre os seus roupeiros e como são felizes com o que têm lá dentro.

Tenho a certeza que as suas palavras serão decisivas para quem ainda não decidiu destralhar o seu roupeiro. E haverá muitos momentos “eu também penso assim!” para quem já descomplicou o seu armário.

Preparada para uma entrevista absolutamente imperdível?

Vamos a isso!


It’s (not) so simple: Antes de mais, poderias apresentar-te aos leitores?

Ca: Olá eu sou a Catarina, autora do blogue Mundo da Alice. Um espaço onde partilho um pouco do meu mundo, onde abordo temas com os quais me identifico, da forma como encaro o meu dia a dia tentando sempre simplificar a minha vida. Respeitando sempre um dos meus maiores lemas de vida: procurar alegria e inspiração nas pequenas coisas da vida!

So: O meu pseudónimo é Sofia Mais Feliz porque foi isso que me motivou a começar a escrever o blog – ser mais feliz. Desde que iniciei esta aventura na blogosfera tenho aprendido imenso sobre a felicidade e de que forma a podemos viver mais explorando o que temos de melhor, sendo autênticas. Se tiveres curiosidade em saber mais, convido-te a ler o meu post sobre “O que aprendi desde que iniciei o blog”.

I: Como descreverias o teu estilo atual? Com que tipo de roupa é que te sentes bem? Há algum vestuário que uses apenas porque tem mesmo de ser (por motivos profissionais, por exemplo)?

So: É difícil descrever o meu estilo numa palavra, mas se o tivesse de fazer seria casual chic. Gosto de combinar peças confortáveis e elegantes que tirem o melhor partido da minha silhueta e que tenham a ver com a minha personalidade. Felizmente, não tenho dress code no trabalho, sendo que utilizo um estilo mais formal do que durante o fim-de-semana.

Ca: O meu estilo é casual e descontraído. Não sou demasiado exigente com a roupa, umas calças de ganga, um camiseiro e umas botas ou ténis está óptimo para mim. Se ficar mais fresco um casaco e está a toilette feita! E este é o formato em que me sinto melhor. No trabalho tenho de estar fardada com uma saia quase até ao joelho e uma bata. Confesso que não gosto nada mas tem de ser e nem vale a pena gastar a minha energia com isso.

I: Como organizas a tua roupa entre estações: que método de arrumação preferes e quando é que rodas a roupa que estás a usar para uma mais quente/mais fresca? Achas que essa tarefa podia ser otimizada de alguma forma?

Ca: Em casa tenho um closet, o que me facilita imenso a organização das minhas roupas e acessórios. Normalmente tenho quase tudo exposto. No fundo dos roupeiros tenho algumas caixas aonde arrumo os vestidos e tops de verão, nesta altura do ano. Quando chega o calor tiro-os e ponho lá os vestidos quentes e as camisolas mais grossas. Todo o resto está em cabides e gavetas, pronto a usar. Para mim está óptimo assim.

So: Vou rodando a roupa entre 2 armários, na Primavera e Outono. À medida que o tempo vai aquecendo ou esfriando, vou mudando gradualmente as peças. Sinto que esta tarefa poderia ser optimizada minimizando a quantidade de peças que tenho actualmente.

sofia-super-organizada

I: Quando descobres no teu roupeiro uma peça que já não usas, o que fazes com ela? Já houve alguma peça que te arrependeste de ter retirado do teu guarda-fatos?

So: Para mim é um enorme desafio eliminar uma peça de roupa que talvez volte a usar e que esteja em bom estado. Isto porque o nosso estilo é dinâmico e as modas também. Já por diversas vezes, tive peças que voltei a usar passado vários anos porque ficaram na moda ou porque simplesmente voltei-me a identificar com elas. Não sei se é uma desculpa, mas como já me aconteceu diversas vezes, tenho dificuldade em eliminar estas peças. Para as outras, costumo dá-las a pessoas que conheço, doá-las em contentores ou se estão inutilizáveis vão para o lixo.

Ca: Quando isso acontece tiro de imediato essa peça para doar, sem hesitar. E aproveito logo para dar uma volta para ver se não há mais alguma coisa que possa doar. Nunca me arrependi de dar nada, mas há uns 2/3 anos atrás lembrei-me do casaco de ganga que tive na minha adolescência, e que eu adorava. Pensei que se ainda o tivesse voltava a usá-lo. Mas também não pensei muito no assunto, pois já não o tinha e nem me lembrava que rumo lhe tinha dado.

I: Se tivesses de mudar de casa neste preciso momento e só pudesses levar uma mala de roupa contigo, o que é que não conseguirias deixar para trás?

Ca: Gosto de todas as peças que tenho, acho que se tivesse de fazer uma seleção não seria muito difícil. Seleccionava 2 ou 3 pares de calças, uns vestidos, umas camisas, algumas camisolas, 1 casaco e claro leggins para a minha prática de yoga (da qual não abdico nunca).

So: Tentaria levar comigo as roupas mais básicas e intemporais possíveis para darem com tudo: calças de ganga, calças pretas e uma saia simples; top, camisa de meia manga, camisola de manga comprida, casaco; equipamento desportivo; um par de ténis, botas, sandálias e chinelos. Ah e roupa interior, convém!

I: Se quisesses ficar conhecida por uma só peça do teu armário (uma que usas com muita frequência por ser absolutamente versátil/deslumbrante), qual seria? Podes descrevê-la?

So: Adorei esta pergunta (colocou-me a pensar :)). Não sei se estou deslumbrada por ser uma compra nova, mas talvez por uns ténis novos, todos pretos, com uns apliques brilhantes também em preto. Para mim, são a definição de casual chic, e estou certa que os poderei utilizar em imensas ocasiões diferentes. Ao mesmo tempo, acho que me representam na perfeição!

Ca: Ora aqui está uma pergunta nada fácil de responder. Sinceramente não sei muito bem, se por um lado acho que seria o meu casaco preto tipo pele, e que adoro e que combina com qualquer coisa, também há um vestido preto que acho que me favorece bastante… Não! Pensando melhor sei a resposta sim! O casaco preto sem sombra de dúvida.

catarina-deslumbra

I: Há alguma roupa da tua infância/adolescência que gostavas de ter a oportunidade de voltar a usar? Diz-nos o motivo.

So: Nem por isso 🙂

Ca: O casaco de ganga que mencionei numa das perguntas anteriores. Porque era super giro, e porque continua a ser uma peça que se usa muito e se adequa muito ao estilo que eu gosto! Sorte a minha que ao comentar isto com a minha mãe, tive uma surpresa. A senhora minha mãe que passa a vida a destralhar e não é de guardar nada tinha-o guardado, por ser uma peça que eu adorava, e que tinha usado imenso. Quando o voltei a vestir passados tantos anos e vi que ele ainda me servia fiquei feliz da vida. Adoro usá-lo!

I: As vossas respostas foram fabulosas! Catarina e Sofia, foi uma honra ter-vos aqui no It’s (not) so simple e um privilégio ficar a conhecer os vossos roupeiros! Têm alguma mensagem que gostassem de deixar aos leitores?

Ca: Não posso deixar de agradecer à Mafalda pelo convite para este desafio, no qual gostei bastante de participar. Ajudou-me a reflectir sobre o assunto e a ter mais a certeza de como cada vez mais as coisas à minha volta se vão simplificando e o que eu vou beneficiando por isso. Agradeço também por todas as partilhas que a Mafalda faz no seu blogue, sempre tão inspiradoras e enriquecedoras.

So: Acredito que tudo aquilo que nos diz respeito molda a nossa vida. E isto passa pela forma como pensamos, sentimos, mas também pela nossa postura, forma de vestir. Por isso, é importante que procuremos por coerência em tudo aquilo que nos diz respeito. Ter um armário organizado e com o qual nos identifiquemos faz parte desse processo. Encontrar o “armário certo” significa uma jornada de auto-conhecimento, desapego e consequente maior auto-estima e felicidade. Por isso lê os artigos da Mafalda, estou certa de que te ajudarão muito! Podes ainda ler o post onde falo sobre “Como reduzi o meu guarda-roupa em 4 passos”.

I: Minhas queridas, obrigada por partilharem connosco os vossos guarda-fatos simples, mas extremamente inspiradores!


Que entrevista fantástica, não concordas?

Se também gostavas de partilhar a tua perspetiva de um Roupeiro Real, envia-me um email para mafalda [at] itsnotsosimple.com. Será um prazer divulgar a tua história!

O que achaste dos armários da Catarina e da Sofia? Sentes-te tão satisfeita como elas com o que tens no guarda-fatos?

Share

9 thoughts on “Roupeiros Reais: a Catarina e a Sofia mostram-nos os seus armários!

  1. Bem… o meu roupeiro……… Bem sei o que é destralhar nesse sentido! Passei de um big armário embutido, de 4 portas (cada uma com 1 metro de largura,) só para mim, para um pequeno de 3 míseras portinhas e ainda por cima partilhado! Ah tortura!!! 🙂
    Estou a brincar, neste momento chega perfeitamente mas o que é certo é que os casacos não cabem lá. De resto, organizo sempre a minha roupa da mesma maneira há já muitooooo tempo. Basicamente está tudo pendurado em cabides individuais e separado pelo tipo de peça. A única coisa que altera são as camisolas mais grossas que passam quase todo o ano “engavetadas” numas caixas gigantes do IKEA que guardo sempre na parte mais alta do roupeiro. Essa zona é muito alta, de dificil acesso, por isso guardo lá as coisas que menos uso.
    Eu sei que sou suspeita, mas ter as coisas organizadas assim sempre funcionou muito bem p mim. 🙂

    1. Olá Bela.
      Gostei muito de ficar a “conhecer” o teu roupeiro 🙂
      Que bom teres encontrado uma forma de manter a tua roupa que resulta às mil maravilhas.
      É fabuloso quando nos conseguimos organizar para não ter de perder tempo a pensar nestes temas mais “corriqueiros”.
      Também guardo as camisolas grossas de inverno (as do meu marido, para ser mais específica) na parte de cima do roupeiro e concordo que o que usamos menos deve estar menos acessível, para dar prioridade ao que usamos mais.
      Obrigada pela partilha.
      Tudo de bom!

  2. Minha querida mais uma vez agradeço -te imenso pelo desafio e por te teres lembrado de mim. Foi um prazer para mim colaborar contigo.
    Espero que o meu testemunho e o da Sofia possam inspirar outras pessoas. De forma a simplificação o seu roupeiro e acima de tudo as suas vidas.
    Beijinho enorme ❤ ❤ ❤

    1. Tenho a certeza absoluta que os vossos testemunhos foram inspiradores, querida Catarina.
      E o prazer foi todo meu por poder contar com ambas o blogue ficou mais rico com as vossas partilhas!
      Beijinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *