Primeiro

primeiroGosto da analogia da piscina. Esta que imagino tem uma profundidade constante de 2 metros.
Então, entrei nessa bela piscina. Eu sei nadar. Mas há momentos em que fico cansada de tanto dar aos braços. Na verdade, há um pouco mais de 15 meses que, por mais que me esforce por me manter à tona, estou sempre a esbracejar…
Passo a explicar: tenho 2 filhos e o o mais novo nasceu há cerca de 15 meses. Pois… Agora, aqui em casa, estamos sempre “debaixo de água”.

Parece muito tempo, 15 meses, não é? Mas, quando estamos imersos na água que são os nossos dias, parece que a nossa vida mudou apenas ontem.

  • Roupa para lavar: check!
  • Roupa para estender: check!
  • Roupa para dobrar/passar/arrumar: vale mesmo a pena tanto trabalho? Vou vesti-la daqui a nada. Fica como está!
  • Comida para fazer: check!
  • Cozinha por arrumar: double check…
  • Aspirar? Quando? O bebé tem de dormir! O sono do bebé é sagrado! E não se pode fazer coisas sagradas enquanto alguém aspira… Mais cotão, menos cotão, mas cabelo, menos cabelo, deixa, nós sobrevivemos à poeira…

É, não é simples… Nada simples.

São horas de te vestires? De tomar o pequeno-almoço? De voar para o trabalho? Consegues desenrascar-te só com uma mão? Boa! Porque agora é assim que fazes tudo, com um bebé ao colo. Já estendi roupa só com uma mão. Já lavei loiça só com uma mão. Já vesti a mais velha com o mais novo ao colo. Diabos, às vezes tenho de usar o WC com o miúdo agarrado a mim!

É uma fase e tudo passa. É o pensamento que tento que me console por agora. Tento agarrar-me aos sorrisos maravilhosos deles, aos seus mimos e à sua inocência que me delicia. E lá vou arranjando forças para mais umas braçadas…

E tu, quais os teus desafios para te manteres à tona? Aguardo os teus comentários!

Share

2 thoughts on “Primeiro

  1. Adorei o texto prima.
    Por aqui também sempre foi assim e agora com a chegada do mais novo, até maminha já dei ao mesmo tempo que secava e vestia a mais velha depois do banho 🙂
    É preciso é não stressar e levar um dia de cada vez. Tenho por base, não descurar do nosso (mães) descanso, porque acho que precisamos também nós de estar bem, para os ajudarmos, assim faço o imprescindível e se hoje não arrumar a loiça a cozinha, paciência, arruma-se amanhã . Tudo se vai fazendo e todas estas fases passarão e acredito que trarão muitas saudades 😉
    Beijinhos minha querida

  2. Pois, pois….Eu pensava ser a única gata borralheira do planeta e afinal, havia mais!
    É por uma boa causa. Palavras como gostto muito de ti e és a mãe melhor do mundo ( ao que eu respondo: não tens outra),fazem esquecer a pilha de roupa para passar entre outros. Casa limpa e arrumada? Já era! Felicidade a dobrar? É agora e vamos aproveitar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *