Memo from your child

childs-foot-995300_1920

Há muito tempo (parece já uma vida…), ainda eu não tinha filhos, encontrei, num manual de Inglês, o texto que vou traduzir abaixo. Gostei tanto, que tive de o reproduzir num outro blogue que tinha naquela altura. Corria o ano de 2006…

a) Não me estragues com mimos. Eu sei que não devo ter tudo quanto peço. Estou apenas a testar-te.
b) Não tenhas medo de ser firme comigo. Eu prefiro assim. Faz-me sentir seguro(a).
c) Não me deixes desenvolver maus hábitos. Eu tenho de confiar em ti para que sejam detetados nas suas fases iniciais.
d) Não me corrijas em frente a outras pessoas, se o puderes evitar. Eu prestarei mais atenção se falarmos em sossego e em privado.
e) Não fiques demasiado aborrecido(a) quando eu digo que te odeio. Não é a ti que eu odeio, mas ao teu poder.
f) Não dês demasiada importância às minhas pequenas doenças. Às vezes, preciso apenas de chamar um pouco a tua atenção.
g) Não estejas sempre a resmungar comigo. Se o fizeres, terei de me proteger parecendo que sou surdo(a).
h) Não faças promessas em vão. Eu detesto quando as promessas são quebradas.
i) Não testes a minha honestidade em demasia. Facilmente me assusto e começo a inventar mentiras.
j) Não sejas inconsistente. Isso confunde-me e faz com que eu deixe de confiar em ti.
k) Não me ignores quando te faço perguntas. Se o fizeres, irei procurar respostas noutro lado.
l) Não me digas que os medos são idiotas. Eles são terrivelmente reais.
m) Nunca sugiras que és perfeito(a). Será um choque demasiado grande descobrir que não o és realmente.
n) Lembra-te que eu adoro fazer experiências. Não consigo sobreviver sem elas, logo não te importes muito com isso.
o) Não te esqueças que me estou rapidamente a transformar num adulto. Deve ser duro crescer comigo, mas, peço-te, tenta.
Por favor, lembra-te: as crianças são 30% da população, mas representam 100% do nosso futuro.
Já não me recordo se o manual referia quem era o autor deste texto, mas uma pesquisa na Internet remete a autoria para Thomas C. Ritt, Jr., que teria escrito este texto para  a Arizona ACLD Newsletter, em Dezembro de 1975.
Dá que pensar, não é? Partilha as tuas opiniões comigo.
Podes também subscrever as atualizações de It’s (not) so simple!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *